Ídolo do Atlético Mineiro - Ronaldinho Gaúcho: o mito

Ídolo do Atlético Mineiro – Ronaldinho Gaúcho: o mito

Ronaldinho Gaúcho: mito, showman, R10, mago e gênio. São muitos os adjetivos usados para descrever a magia desse craque.

Apenas sobre a sua passagem pelo Barcelona, poderíamos escrever um e-book inteiro! Os grandes feitos da carreira desse craque são incontáveis: venceu uma Copa do Mundo (2002), foi eleito 2 vezes o melhor jogador do mundo, foi aplaudido de pé pela torcida do Real Madrid atuando pelo Barcelona e liderou o Galão da Massa em sua primeira Libertadores da história.

Ídolo de quase todos os torcedores brasileiros, Ronaldinho encantou toda uma geração com seus dribles desconcertantes, passes mágicos e gols de placa. Conquistou todo o Brasil com as suas atuações, principalmente pela Seleção Brasileira e pelo Barcelona.

É tratado por muitos torcedores como “o melhor que já vi jogar”, mesmo sendo contemporâneo de Lionel Messi — que aprendeu muito com o mito. Mas nenhum torcedor brasileiro tem uma conexão tão forte com Ronaldinho como o torcedor do Galão da Massa. A torcida o abraçou quando ele mais precisou e o craque retribuiu todo o carinho recebido.

Quer saber mais sobre esse mito? Confira a nossa homenagem de hoje a esse grande ídolo do Atlético Mineiro!

“Dibrando” a vida

Ronaldinho não teve uma infância fácil, nasceu em uma família bastante humilde e com apenas 8 anos perdeu o seu pai. A sua família era muita unida e foram um grande suporte para o garoto superar o trauma, principalmente a sua mãe, a guerreira dona Miguelina e o seu irmão mais velho, que se tornou figura paterna para o jogador, Assis — atual empresário do ídolo.

Ronaldinho começou nas escolinhas do Grêmio com apenas 7 anos e, 10 anos depois, com apenas 17, Ronaldinho já estava jogando entre os profissionais. Foi o time de Porto Alegre que primeiro abriu as portas para o craque conquistar o mundo.

“Olha o que ele fez, olha o que fez, olha o que fez”

Com apenas 19 anos, Ronaldinho Gaúcho já estava na seleção titular e, em sua primeira jogada, no seu primeiro jogo oficial, o showman já fez história. Um gol de placa que levou Galvão Bueno a uma histeria que não é vista nem com o “menino Neymar”.

Depois disso, obviamente, as convocações foram constantes até a Copa do Mundo de 2002, quando foi um dos principais jogadores da seleção pentacampeã, atuando junto com seus ídolos Ronaldo e Rivaldo. Nessa época, Ronaldinho atuava na França, pelo Paris Saint Germain (PSG), clube ao qual se transferira do Grêmio em 2001. Em 2003, o já campeão Mundial se transferiu para o Barcelona, onde reergueria um dos maiores times da história do futebol.

Ronaldinho e Barça, melhores do mundo

Quando chegou ao Barcelona, o clube não vivia os seus melhores momentos. À sombra de um Real Madrid galáctico que varria títulos, o Barcelona vinha em uma sucessão de altos e baixos.

O showman foi então símbolo da geração que reergueria o Barça e iniciaria uma era, depois consagrada com Messi e Guardiola. Pelo Barcelona, Ronaldinho conquistou o bicampeonato Espanhol (2004-05, 2005-06) e a UEFA Champions League (2005-06), apenas a segunda do clube.

Conquistou fãs em todo o mundo e se tornou um dos maiores jogadores da sua geração. Depois de sua passagem mágica pelo clube catalão, Ronaldinho teve uma passagem não tão brilhante pelo Milan e acabou voltando para o Brasil, onde atuou inicialmente pelo Flamengo.

Ronaldinho pelo Galo e o Galo por Ronaldinho

A passagem do gênio pelo Flamengo foi marcada por muita pressão. Apesar de muitas boas atuações, a torcida rubro-negra parecia esperar que, o já experiente Ronaldinho tivesse atuações como as que tinha pelo Barcelona.

Depois de altos e baixos e de se envolver em polêmicas extracampo, o jogador deixou o clube. Foi assediado por diversas equipes, principalmente a do Grêmio, que o revelara.

Mas não tinha jeito, o destino tinha separado algo maior para o craque. É difícil falar quem precisava mais de quem: Ronaldinho do Galo ou o Galo do Ronaldinho.

Fato é que o casamento não poderia ser mais brilhante! Ronaldinho recebeu o carinho e o acolhimento que precisava, tanto do clube quanto da Massa.

O fator Ronaldinho foi incrível, a torcida ficou mais motivada do que nunca, os outros jogadores melhoraram o seu rendimento ao lado do craque e o showman, bom, voltou a ser o showman. O maestro que o Galo tanto precisava conduzia a equipe e, em pouco tempo, ele já estava na vasta galeria como mais um ídolo do Atlético Mineiro.

Aqui é Galo! A Libertadores histórica

O Glorioso acreditou em Ronaldinho e, já no seu primeiro ano, ele tornou o Galo o melhor time do Brasil. O título, talvez, só não tenha vindo devido a algumas decisões duvidosas da arbitragem.

O Atlético acabou com o vice-campeonato. A vaga para a Libertadores, porém, estava garantida!

No primeiro semestre de 2013 (dois mil e Galo) Ronaldinho levou o Glorioso ao título mineiro, marcando um gol na final quando o Cruzeiro esboçava uma virada histórica. Histórica mesmo foi a comemoração do craque, que fingiu jogar uma granada na torcida celeste.

Isso foi apenas um prelúdio. Conquistar um título contra uma equipe que treme é uma coisa, conquistar a maior competição da América do Sul é outra.

Ronaldinho foi o grande líder da equipe que conquistou a mais marcante Libertadores de todos os tempos. Foram muitos momentos marcantes: a malandragem do craque contra o São Paulo (depois do jogo Rogério Ceni nunca mais compartilhou uma garrafa d´agua), o show contra o Arsenal, a constatação de que jogo é jogo e treino é treino, e acima de tudo, as viradas históricas.

O Galão conquistou o título mais importante da sua galeria de forma dramática, sofrida e aguerrida. Não haveria um jeito mais atleticano de conquistar a Libertadores.

A relação de Ronaldinho com a Massa foi tão marcante quanto as suas atuações. Quando a sua mãe esteve doente, a Massa apoiou firmemente o craque, que se emocionou bastante.

Quando o showman precisou de força, a torcida estava lá. Da mesma forma que a torcida jamais esquecerá os feitos do craque, Ronaldinho jamais se esquecerá da Massa. Para Ronaldinho, no Brasil ou no Mundo, “aqui é Galo”!

Para você, qual foi o maior momento do craque no Galão? Qual foi o gol mais bonito? Compartilhe com a gente nos comentários!

cta_finalpost_atletico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *