Foto: Divulgação

Com susto no fim, Bauru espanta a zebra, bate Macaé e vai às quartas

Em casa, Dragão vê fluminenses tirarem diferença de 15 pontos no último quarto, mas faz 93 a 83 no terceiro jogo e se classifica para pegar o Brasília na próxima fase

Pela terceira vez seguida, o Bauru Basket voltou a vencer o Macaé na noite desta segunda-feira, no ginásio Panela de Pressão, em Bauru, desta vez por 93 a 83, em duelo válido pelo playoff de oitavas de final da nona edição do Novo Basquete Brasil (NBB 9). Com o resultado, o Dragão fechou a série melhor de cinco com o placar de 3 a 0 e garantiu sua classificação para a fase de quartas de final na qual enfrentará o Brasília, quarto colocado na primeira fase e que “descansou” enquanto o Bauru jogava as oitavas.

Mais uma vez o destaque do jogo foi ala norte-americano Anthony, do Macaé, cestinha da noite com 31 pontos – ele deu ainda sete assistências. O Bauru, por sua vez, teve números que ressaltaram o caráter coletivo, com vários jogadores despontando nas estatísticas, como Alex Garcia e Jefferson, com 22 e 21 pontos, respectivamente, e o pivô Shilton, com um duplo-duplo de 13 pontos e 14 rebotes.

A Liga Nacional ainda espera a definição dos outros playoffs de oitavas para definir o calendário das quartas de finais, que serão disputadas no mesmo sistema: 1-2-1-1. No caso da série entre Bauru e Brasília, o primeiro jogo será no Panela de Pressão, os dois seguintes no Dsitrito Federal, e, se necessários, o quarto jogo em Bauru e o quinto em Brasília.

O jogo

Quando a bola subiu, caiu nas mãos do Bauru e o armador Gegê logo na sequência já emplacou um tiro de três pontos, os torcedores bauruenses que foram ao ginásio Panela de Pressão festejaram como um gol, talvez acreditando que a partida contra o Macaé fosse um pouco mais fácil que as duas anteriores vencidas pelo Dragão. A festa seguiu com uma bela enterrada do “Brabo” Alex, mas o time do Norte Fluminense, como sempre, podia contar com seu astro em noite inspirada.

O norte-americano Anthony assumiu a responsabilidade de grande destaque do NBB – líder em pontos e vice-líder em assistências – e passou a ditar o ritmo do time do técnico Leonardo Costa. Anotou 10 pontos apenas no primeiro quarto e levou o Macaé a vencer um quarto em Bauru pela primeira vez neste playoff: 24 a 22.

No segundo período, Bauru se acertou na defesa e passou a imprimir um rápido jogo de transição, especialmente com Alex Garcia e Léo Meindl. Jefferson passou a acertar seus tiros longos e o Bauru não só passou o Macaé como começou a abrir vantagem, que chegou à casa dos dois dígitos. Mesmo sem encontrar um meio de parar Anthony (que fez mais nove pontos na parcial), os bauruenses venceram com folga o período (23 a 13) para levar aos vestiários uma vantagem de oito pontos: 45 a 37.

Na volta do intervalo, os bauruenses voltaram com a pontaria afiada e, com uma sequência de tiros do perímetro fizeram a vantagem atingir a marca de 15 pontos logo nos minutos iniciais. Pressionados pelo risco de darem adeus à competição, os fluminenses passaram a acelerar seu ataque e a exigir de Anthony a definição das jogadas, mesmo sob pressão. Bauru, por sua vez, manteve-se bem no perímetro, mas também eficiente no jogo interno, com Shilton atingindo no jogo um pouco comum duplo-duplo, com 13 pontos e dez rebotes. E com um tiro de três de Alex no estouro do relógio, Bauru venceu a parcial por 24 a 17 e levou 15 pontos de frente para o quarto final: 69 a 54.

No quarto final, o tal “relaxamento” que o técnico Demétrius temia após o segundo jogo aconteceu, com o Macaé se superando na dedicação defensiva e complicando o aproveitamento bauruense. A diferença de 15 pontos começou a cair de forma assustadora e chegou a apenas três na metade do período (73 a 70). O treinador bauruense parou o jogo por duas vezes e conseguiu “estancar a sagria”, Quando Alex acertou mais uma de três e Bauru abriu 82 a 73 faltando pouco mais de dois minutos, Léo Costa chamou o tempo para tentar as últimas cartadas do Macaé, que venceu a parcial (29 a 24), mas não conseguiu evitar a vitória e a classificação do Bauru: 93 a 83.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *