Blog do Esporte
Natação
15 abr

Conheça as modalidades da natação, origem e regras

Todo mundo gosta de natação, fala a verdade! Não importa o estilo de nado, as competições são realmente impressionantes e os atletas se superam a cada dia. Desde que o esporte foi oficializado, o tipo de porte e treino dos competidores mudou significativamente.

No Brasil temos vários nomes que representam muito bem a modalidade: sempre tem um nadador brasileiro em pódios pelo mundo, já reparou? Gustavo Borges, Cesar Cielo e Fernando Scherer, por exemplo, já estiveram entre os medalhistas em competições de nível mundial.

E como a gente sabe que por conta do Covid-19, a Olimpíada de Tokyo 2020 foi adiada para o ano que vem. Então, já que teremos mais esse tempinho até os jogos, por que não aproveitamos para conhecer um pouco mais dos, nossos principais atletas e também os nomes mais promissores do esporte até a próxima data do evento?  Acompanhe e boa leitura!

Como foi o surgimento da natação no Brasil?

Foi no ano de 1897 que a natação chegou ao Brasil. Desde a Grécia antiga, já era considerada uma ótima atividade física para os jovens e soldados, mas foi somente no século XVII que as regras foram sendo estabelecidas, até se tornar um esporte competitivo. 

Já no ano de 1898, a primeira competição foi criada e consistia na travessia de aproximadamente 1500 metros, entre a Fortaleza de Villegaignon e a praia de Santa Luzia, no estado do Rio de Janeiro.

Depois, a partir da década de 1930, as piscinas passaram a ser mais utilizadas para esse tipo de prática esportiva. Foi também nessa época que a Federação Internacional de Natação (FINA) definiu as medidas oficiais para as piscinas olímpicas. Mas, o Brasil só começou a participar da natação em Olimpíadas na edição de 1920.

Quais são as regras do esporte?

A natação é um esporte que exige condicionamento físico impecável, treinos exaustivos e uma alimentação criteriosa — não pense que é fácil a vida e nadador, viu? Existem quatro estilos de nado, que vamos detalhar, a seguir!

Nado livre (crawl)

As provas de nado livre sempre são disputadas com o estilo crawl, pois é o que se mostra mais eficiente para alcançar maior velocidade na água. Se o atleta quiser, ele pode disputar com qualquer outro estilo, desde que não sejam peito, costas ou borboleta.

O estilo tem respiração lateral, as pernas impulsionam o corpo com movimento de “tesoura” e as braçadas são alternadas e aceleradas. A largada é feita de cima dos blocos. O nadador só pode ficar submerso por, no máximo, 15 metros, tanto nas viradas quanto nas saídas. As distâncias percorridas no nado livre são:

  • 50m;
  • 100m;
  • 200m;
  • 400m;
  • 800m (somente mulheres);
  • 1500m (somente homens);
  • revezamento 4x100m e 4x200m.
Peito

Considerado o estilo de natação mais antigo, o tórax fica para baixo e as braçadas precisam ser sempre simultâneas, nunca alternadas. Os cotovelos devem ficar sempre submersos, as mãos saem horizontalmente a partir do peitos e, espalmadas para fora, empurram a água para trás. As provas são disputadas em 100 e 200m. 

O movimento das pernas também é horizontal, simultâneo e elas não podem emergir da superfície. Na prática, os movimentos se assemelham ao nado de um sapo, entende?

Borboleta

Um dos estilos mais difíceis e belos. Derivado do estilo peito, o atleta precisa bater os braços simultaneamente, levantando-os acima da superfície da água, do mesmo jeito que as pernas. O atleta deve tocar a parede da raia com as duas mãos.

Costas

Os competidores largam de dentro da piscina, ficam com os pés na parede e seguram o suporte do bloco de salto. No entanto, é permitida uma braçada após a virada para que imediatamente o nadador retorne à posição de costas. As provas também são de 100 e 200m. 

Medley

Para o nado individual, executa-se a sequência: borboleta, costas, peito e nado livre. Lembrando que a distância máxima que se pode percorrer embaixo d’água é de 15 metros. No caso da categoria de revezamento, a sequência é: costas, peito, borboleta e nado livre.

Cada representante da equipe executa um estilo. As provas são de 200m, sendo 50 para cada atleta, ou 400m, com 100 para cada nadador. 

Quando a natação se tornou mundialmente uma modalidade olímpica?

Foi em 1896, na edição dos Jogos Olímpicos da Grécia, que a natação foi incluída e disputada pela primeira vez. No ano seguinte, como relatamos anteriormente, a modalidade chegou ao Brasil.

Quantas medalhas em jogos olímpicos já conquistamos?

O nadador Tetsuo Okamoto foi o primeiro medalhista brasileiro, em Helsinque (1952). Ao todo, temos 14 medalhas sendo: 9 de bronze, 4 de prata e uma de ouro. O ouro foi conquistado por Cesar Cielo, em 2008, nos jogos olímpicos da China, em Pequim.

Quem são os atletas mais vitoriosos da história da natação brasileira?

O único nadador a conquistar ouro em Olimpíadas foi César Cielo. É um dos atletas brasileiros mais vitoriosos em campeonatos mundiais da modalidade esportiva, com 19 medalhas.

Além dele, Gustavo Borges é muito celebrado por suas medalhas internacionais, como Pan-Americano, Olimpíadas e Mundial de Piscinas Curtas. Conquistou prata nos 100m livre nas Olimpíadas de 1992, em Barcelona, e nos 200m livre em Atlanta, no ano de 1996.

A natação tem alguma jovem promessa para a modalidade?

Podemos destacar Luana Obino como uma das maiores promessas de medalha para o Brasil em competições internacionais de natação. Ela começou seu contato com a piscina ainda pequena, por causa do histórico de bronquite.

Em 2008, começou a treinar em um pequeno clube do Distrito Federal e se destacou nas competições regionais — já em 2009 faturou o Campeonato Brasileiro. Ela adora o estilo crawl e treina pesado, com apenas uma folga por semana, sem moleza!

Quando perguntada sobre seus ídolos na modalidade da natação, ela se lembra dos nomes de Katinka Hozsnu, Chad Le Clos, Michael Phelps e Therese Alshammar. Ressalta que a nadadora Missy Franklin é um grande exemplo por sua humildade e competência.

Natação é um esporte muito disputado. Por isso, precisamos apoiar os atletas como a nadadora Luana Obino para que o Brasil tenha mais chances de chegar ao pódio. Porém, todo brasileiro quer o nosso quadro de medalhas ainda mais recheado, não é mesmo? 

Para conhecer mais sobre a atleta Luana Obino, leia a entrevista em que ela fala um pouco sobre sua carreira e rotina de treinos. Até mais!

Deixe um comentário?

    0-20-3