Blog do Esporte
Clube de Regatas do Flamengo o maior time brasileiro de 2019 vencedor
30 jan

Flamengo: conheça a história vencedora do maior clube brasileiro

Goleadas históricas, ídolos marcantes e, é claro, vários títulos — assim pode ser resumida a trajetória do Clube de Regatas do Flamengo, clube de maior torcida no território brasileiro.

Para que você saiba mais a respeito da agremiação mais popular do Brasil, preparamos este conteúdo especial com os principais capítulos da história rubro-negra. Descubra tudo sobre as conquistas do Mengão e entenda por que ele pode ser tratado como o maior clube brasileiro.

Os títulos mais importantes do Mengão

Como você sabe, o futebol, além de divertido, é apaixonante e inexplicável. Por conta disso, alguns torcedores nem sempre consegue apontar qual é o título mais relevante de seus times de coração.

Nem sempre há um consenso sobre quem foi o maior jogador ou o lance mais marcante. Na maioria das vezes, pessoas mais velhas se lembram com mais carinho de taças conquistadas há mais tempo, e o oposto acontece com as novas gerações.

Neste tópico, comentaremos sobre os títulos mais importantes do Flamengo, começando pelos recentes.

Libertadores (2019)

38 anos depois de conquistar sua primeira Libertadores, em 1981, o Fla voltou a dominar a América, com a faixa de campeão mais cobiçada pelos clubes do continente, derrotando o River Plate.

Como se não bastasse o peso que o título representa por si só, a forma como a vitória ocorreu merece destaque. Não poderia ser de outro jeito — foi como o torcedor rubro-negro gosta, com sofrimento e muita raça.

Na primeira final em jogo único e em campo neutro do torneio, o River largou na frente, aos 14 minutos da etapa inicial, com gol de Borré. Depois de uma etapa inicial dominada pelos argentinos, os cariocas foram para o intervalo com a desvantagem no placar.

No segundo tempo, a torcida não parou de cantar e o Mengão melhorou, mas os gols só vieram no final da partida. Aos 43, Gabigol empatou o jogo e, já nos acréscimos, o que parecia impossível aconteceu: o artilheiro fez mais um e levou a nação rubro-negra à glória.

Campeonato Brasileiro (2019)

O Flamengo de 2019 não entrou para a história à toa. Além da Libertadores e do Campeonato Carioca, a equipe também se sagrou campeã brasileira de maneira antecipada, quebrando incontáveis recordes dentro da competição.

Menos de 24 horas depois de vencer a Libertadores (23/11/2019), veio a maior conquista possível em território nacional (24/11/2019). O mais curioso disso tudo é que o time sequer precisou entrar em campo para garantir o título, que já estava bem encaminhado.

O Palmeiras, segundo colocado na tabela até então, era o único time que ainda poderia alcançar os rubro-negros em número de pontos. Apesar disso, os paulistas perderam o jogo válido pela trigésima quarta rodada do Brasileirão e ficaram sem chances matemáticas de levantar o troféu.

O que impressionou em relação aos comandados pelo técnico português Jorge Jesus, o Mister, não foi só o título, mas o desempenho acima da média e a quantidade de recordes quebrados. Veja alguns dos números da campanha:

  • artilheiro do torneio, com 25 gols (Gabigol);
  • melhor aproveitamento (78,9% dos pontos);
  • vitórias (28 em 38 jogos);
  • gols feitos (86, média de 2,2 gols por jogo);
  • maior saldo de gols (49);
  • maior série de jogos sem derrota (24);
  • 8 vitórias consecutivas;
  • média de público de 58 mil pessoas por jogo.

Copa do Brasil (2013)

Em 2013, o Flamengo passava por sérias dificuldades — tanto dentro quanto fora de campo. Por isso, os responsáveis pela gestão do clube decidiram promover uma reformulação geral, que levaria anos para ser finalizada, mas traria consequências extremamente positivas.

Mesmo com a prioridade de se reestruturar, o Fla alcançou o importante título da Copa do Brasil, graças ao êxito de jogadores como Elias e Hernane, fundamentais na conquista. Depois de empatar com o Athlético Paranaense em Curitiba por 1 a 1 e vencer no Rio de Janeiro por 2 a 0, os cariocas ficaram com a taça pela terceira vez na história.

Campeonato Brasileiro (2009)

Em 2009, com os gols de Adriano Imperador e as jogadas do sérvio Petković, veio o hexa. Depois de trocar de técnico com a competição em andamento, a equipe chegou a ficar 13 pontos do atrás do Palmeiras, que foi líder durante boa parte do certame.

No segundo turno, o Flamengo teve uma recuperação histórica e se credenciou a brigar pela taça. Na última rodada, era preciso ganhar para vencer o campeonato. Diante de 78 mil pessoas no Maracanã, o triunfo de virada, por 2 a 1, sobre o Grêmio, consagrou o rubro-negro como campeão de um dos Brasileirões mais acirrados de todos os tempos.

Campeonato Carioca (2001)

Para muitos torcedores, os títulos estaduais têm menor relevância em relação aos nacionais e internacionais. Para o Mengão, maior campeão do Rio de Janeiro, o Carioca de 2001 tem um gosto bastante especial e está guardado na memória.

Depois de perder o primeiro jogo da final para o Vasco da Gama por 2 a 1, era necessário ganhar a segunda partida por dois gols de diferença, no mínimo. Até os 43 minutos do segundo tempo, o time da Gávea levava a melhor, mas ainda precisava de mais um gol para erguer a taça. Foi então que Petković marcou um belo gol de falta, da entrada da área, superando o goleiro Helton — era o terceiro estadual seguido que o Fla conquistava diante do Vasco.

Campeonato Brasileiro (1992)

O penta é um ponto fundamental na história do Mengo. Associado a nomes como Zinho, Junior e Gottardo, o título foi marcado pela vitória sobre o rival Botafogo, que passava por uma ótima fase.

Na primeira partida, houve uma grande atuação flamenguista: 3 a 0. Na segunda, o empate por 2 a 2, diante de mais de 120 mil pessoas, foi suficiente para garantir a glória aos rubro-negros.

Mundial (1981)

Na visão de vários flamenguistas, esse é o título mais notável da vasta galeria de taças do Mengão. Além da conquista, ela representa o auge de uma geração de ouro, que foi campeã brasileira em 1980, 1982, 1983 e 1987 — sem contar, é claro, a primeira Libertadores, vencida em 1981.

No Estádio Olímpico de Tóquio, Zico desfilava sua habilidade e contribuía para que o Flamengo emplacasse 3 a 0 sobre o tradicional Liverpool — um dos maiores vencedores do renomado futebol inglês —, chegando ao topo da modalidade. Não por acaso, a escalação cheia de craques como Raul, Júnior, Leandro, Andrade, Adílio e Nunes ficou eternizada nas lembranças dos torcedores.

Libertadores (1981)

A primeira fase do campeonato continental foi marcada pelos embates contra o Atlético-MG, ambos empatados em 2 a 2. Na época, as equipes eram consideradas como as mais competitivas do país, tanto é que serviram de base para a Seleção de 1982, que não ganhou a Copa, mas entrou para a história pelo futebol vistoso e bem jogado.

No triangular da semifinal (o formato do torneio era diferente), o Deportivo Cali, da Colômbia e o Jorge Wilstermann da Bolívia, foram deixados para trás.

Na final, contra o chileno Cobreloa, vitória por 2 a 1 no Rio de Janeiro e derrota por a 1 a 0 em Santiago. À época, não havia critérios de desempate, e uma terceira e última partida foi marcada, em campo neutro, no Uruguai. Com dois gols de Zico, os cariocas anotaram 2 a 0 no placar e levaram a melhor.

Campeonato Carioca (1963)

O cronista e dramaturgo Nelson Rodrigues escreveu que o primeiro Fla-Flu começou “40 minutos antes do nada”. A rivalidade com os tricolores sempre inspirou jogos memoráveis.

Na final do Carioca de 1963, Fluminense e Clube de Regatas do Flamengo ficaram no 0 a 0, mas isso bastou para que o Flamengo ficasse com o título, já que havia feito melhor campanha ao longo da competição e tinha a vantagem do empate.

Apesar da conquista, o que mais chamou atenção nessa partida não foi o desempenho dos comandados pelo técnico Flávio Costa, e sim o público presente no Maracanã: mais de 194 mil pessoas, isto é, o maior público confirmado em um jogo entre clubes no futebol mundial.

Campeonato Carioca (1914)

O primeiro título da história do Mengão veio quando o futebol ainda era uma práticaamadora, distante dos investimentos gigantescos e da exposição midiática das últimas décadas. Com poucos anos de história, o departamento de futebol masculino do clube conseguiu vencer o Carioca em 1914.

De acordo com Roberto Assaf e Clóvis Martins, conforme publicado no livro “Campeonato Carioca: 96 anos de história”, essa edição do torneio foi especial, tamanha a comoção do público e da imprensa em torno do esporte, que começava a ganhar popularidade no Rio de Janeiro.

Com o tradicional uniforme coral, o rubro-negro ficou à frente de equipes como América e Botafogo — a última partida do Mengo no torneio foi um empate em 4 a 4 diante do São Cristóvão. Os destaques da conquista foram os atacantes Raul, que participou de todos 12 os jogos, e Riemer, responsável por marcar 9 dos 24 gols que o Flamengo fez na competição.

Veja, logo abaixo, uma lista com alguns dos mais importantes títulos do Mengo:

  • Copa do Brasil: 1990, 2006 e 2013;
  • Campeonato Brasileiro: 1980,1982, 1983, 1987, 1992, 2009 e 2019;
  • Copa Mercosul: 1999;
  • Libertadores: 1981 e 2019;
  • Mundial: 1981.

Os ídolos do Clube de Regatas do Flamengo

Há atletas inesquecíveis por trás de tantas glórias alcançadas pelo clube mais querido do Brasil. Idolatrados pela nação, eles são festejados por diferentes gerações. Confira, a seguir, um resumo sobre os principais nomes.

Zico

Arthur Antunes Coimbra, o Zico, é uma unanimidade: ninguém duvida que ele foi o maior jogador com o manto flamenguista. Líder técnico do esquadrão que conquistou tudo na década de 1980, o Galinho de Quintino era um exímio cobrador de faltas.

O drible curto e o controle de bola eram características marcantes de seu futebol. Com ele em campo, o Fla conquistou 37 títulos em 28 anos. Ao todo, o meio-campista soma mais de 700 jogos e 500 gols pelo clube.

Junior

Apelidado de Vovô Garoto ou Maestro, o versátil lateral-esquerdo Júnior foi uma das referências técnicas da Geração de Ouro do Mengo. Ele passou 16 temporadas na Gávea e foi o jogador que mais vezes vestiu a camisa da instituição — disputou 874 jogos, marcou 77 gols e conquistou 20 títulos importantes.

Gabigol

Pode ser cedo para saber se Gabriel Barbosa já é um ídolo dos torcedores. Apesar disso, é inegável a importância histórica do atacante, que fez os 2 gols da virada no bicampeonato da Libertadores e foi artilheiro do Brasileirão de 2019.

Dida

Inspiração declarada de Zico, o alagoano Dida foi a estrela do segundo tricampeonato Carioca, vencido entre 1953 a 1955. Trata-se de um dos maiores artilheiros do Mengão, com 264 gols e 357 jogos. Era titular da Seleção Brasileira e só não foi para a Copa do Mundo de 1958 por conta de uma lesão.

Leandro

Lateral-direito de notória habilidade, Leandro também fez parte da escalação que é considerada por muitos como a melhor de toda a trajetória flamenguista. Fez 417 jogos e ganhou 14 títulos.

Petković

Herói do tri em 2001, o sérvio Dejan Petković fez sucesso no Vitória e não decepcionou quando chegou na Gávea, em 2000. Depois de rodar por outras agremiações, voltou em 2009 para ajudar na conquista do Brasileiro com gols decisivos e belas assistências.

Zizinho

Zizinho ou Mestre Ziza foi um dos ídolos de ninguém menos que Pelé. Eleito o melhor jogador da Copa do Mundo de 1950, o meia marcou 145 gols em 318 jogos pelo Flamengo e foi o grande responsável pelos títulos do primeiro tricampeonato estadual, de 1942 a 1944.

Nunes

Decisivo e folclórico — assim era Nunes em campo. Conhecido por ser um exímio finalizador, ele protagonizou memoráveis jogadas de ataque ao lado de Zico. O artilheiro ficou 8 anos no Fla e participou de 4 títulos. No total, jogou 214 jogos e marcou 99 gols.

Adriano

Adriano, também conhecido como Didico, foi revelado para o futebol na Gávea. Canhoto, chamava a atenção de todos desde o início da carreira, por ser um jogador alto, mas habilidoso, com ótima finalização.

Logo foi negociado com a Internazionale, da Itália, onde se firmou como centroavante e ganhou o apelido de Imperador. Voltou em 2009 e foi o artilheiro do time que ganhou o Brasileirão pela sexta vez, tirando o Mengo de um jejum que durava 17 anos.

Adílio

Adílio foi um meio-campista clássico, de passe preciso e inteligência tática. No Clube de Regatas do Flamengo, atuou entre 1975 e 1987, em 616 partidas, sendo imprescindível para o sucesso no período. É um dos atletas que mais vezes entrou em campo pela instituição.

Além dos nomes mencionados até aqui, há vários outros heróis que merecem ser lembrados pelos serviços prestados ao clube. Veja quais são eles de acordo com a década na qual jogaram:

  • 1910: Gustavo, Píndaro, Gallo, Alberto Borgerth, Riemer, Nery, Baena e Sydney Pullen;
  • 1920: Kuntz, Junqueira, Candiota, Benevenuto, Moderato, Nonô, Hélcio, Japonez, Amado e Vadinho;
  • 1930: Jarbas, Leônidas da Silva, Domingos da Guia, Sá e Nelson;
  • 1940: Valido, Pirillo, Perácio, Vevé, Modesto Bría, Newton Canegal, Jurandyr e Biguá;
  • 1950: Dequinha, Índio, Pavão, Esquerdinha, Garcia, Henrrique Babá, Moacir, Jordan, Rubens, Benitez, Zagallo, Evaristo de Macedo, Joel e Paulinho;
  • 1960: Batuta, Gerson, Carlinhos Violino, Paulo Henrrique, Murilo, Almir, Dionisio, Fio Maravilha e Marcial;
  • 1970: Doval, Caio Cambalhota, Paulo César Caju, Geraldo, Renato, Paulo César Carpegiani, Toninho, Cláudio Adão, Reyes, Liminha, Rondinelli e Cantarele;
  • 1980: Raul, Mozer, Marinho, Lico, Tita, Bebeto, Figueiredo, Vitor, Renato Gaúcho, Jorginho e Zé Carlos;
  • 1990: Zinho, Júnior Baiano, Nélio, Gaúcho, Charles Guerreiro, Gilmar, Uidemar, Nélio, Romário, Athirson, Leandro Ávila, Beto e Rodrigo Mendes;
  • 2000: Júlio César, Juan, Gamarra, Edílson, Fábio Luciano, Adriano, Ibson, Léo Moura, Juan (lateral), Ronaldo Angelin e Obina;
  • 2010: Elias, Hernane, Diego Alves, Rafinha, Filipe Luís, Arão, Gerson, Arrascaeta, Éverton Ribeiro, Bruno Henrique e Diego Ribas.

A origem do Flamengo

Nem todo mundo sabe, mas a agremiação foi inicialmente fundada como Grupo de Regatas do Flamengo, tamanha a popularidade do remo no Rio de Janeiro antes da virada para o século 20.

De acordo com o site oficial do Mengo, a fundação aconteceu, de fato, na noite de 17 de novembro de 1895, na casa de número 22 da Praia do Flamengo, onde seis jovens fizeram uma reunião. Nessa ocasião, definiu-se a primeira diretoria e ficou decidido que a data oficial de fundação seria 15 de novembro, em homenagem ao feriado nacional da Proclamação da República.

Vale lembrar do contexto ligado a essa origem. Porém, na época, o Rio de Janeiro vinha passando por um processo de urbanização — a ideia era modernizar não só a cidade, mas a cultura como um todo. O remo estava associado à construção de uma nova identidade e era o esporte mais explorado pela mídia, assim como as corridas de cavalo.

A ideia dos fundadores, portanto, era criar uma entidade esportiva capaz de representar o bairro do Flamengo. No início, as cores do Fla eram azul e amarelo-ouro. Porém, no dia 23 de novembro de 1896, os tons foram alterados para vermelho e preto.

A magnética

Apesar da história repleta de glórias e troféus, não seria exagero dizer que o maior patrimônio do Fla é a sua torcida, a magnética. No entanto, muitas vezes tratada como “a maior do mundo”, ela se tornou notável não só por seu tamanho, mas também pela dedicação ao Mengo. O apoio é proporcional à cobrança feita à equipe e à pressão exercida nos adversários ao longo dos jogos.

A consolidação desse amor tem como marco a década de 1930, quando o Clube de Regatas do Flamengo já excursionava o Brasil e tinha seus jogos transmitidos via rádio nas cinco regiões do país. A contratação de ícones da época, como Leônidas da Silva, aumentou a exposição, fazendo com que a marca ficasse cada vez mais popular.

Nos anos 80, veio a difusão das transmissões televisivas das partidas de futebol. Graças ao talento do time e aos resultados obtidos em campo, o Fla angariou torcedores em todos os cantos, formando uma verdadeira nação de apaixonados — os lances de Zico e companhia não ficavam mais restritos àqueles que podiam acompanhar tudo de perto, no Maracanã.

Para se ter ideia da força flamenguista nas arquibancadas, 7 dos 10 jogos com maiores públicos na história do Brasileirão tiveram o Mengão como mandante ou visitante. Segundo levantamento feito pela coluna de Rodolfo Rodrigues, no UOL, o Flamengo teve a melhor média de público por 12 vezes entre as edições de 1972 e 2016 do Campeonato Brasileiro.

As outras modalidades do Clube de Regatas do Flamengo

Apesar do destaque que obteve no futebol masculino, a natureza poliesportiva faz parte do DNA do clube. Atualmente, a instituição conta com as seguintes modalidades:

  • basquete;
  • remo;
  • futebol feminino;
  • natação;
  • polo aquático;
  • nado artístico;
  • judô;
  • vôlei;
  • ginástica artística;
  • canoagem;
  • e-sports;
  • futebol americano;
  • beach soccer.

No basquete, o primeiro título rubro-negro veio em 1919. Desde então, tornou-se um dos times mais tradicionais do país e ganhou sete Campeonatos Brasileiros da categoria. No basquete feminino, a conquista mais relevante foi o Mundial de 1966.

No futebol feminino, o Campeonato Brasileiro de 2016 pode ser considerado o título mais expressivo. A ginástica artística rubro-negra, por sua vez, já contou com grandes medalhistas, como Jade Barbosa e os irmãos Daniele e Diego Hypólito.

O judô foi a primeira arte marcial praticada no clube, que já alcançou vários títulos, tanto no feminino quanto no masculino. A natação já obteve mais de 30 campeonatos estaduais e mais de 20 nacionais. Ainda nos esportes aquáticos, vale ressaltar o tetracampeonato do polo aquático feminino entre 2015 e 2018. A equipe de e-sports é recente, mas tem marcado presença em alguns dos principais torneios brasileiros de League of Legends.

Enfim, a grandeza do Flamengo é indiscutível, tendo em vista o enorme apelo popular que o clube atingiu. no entanto, além dos títulos de grandiosa importância no futebol masculino, a instituição estendeu seu alcance a outras modalidades, contribuindo para o desenvolvimento da prática esportiva no país.

Se você gostou do texto, deixe nos comentários a sua opinião sobre qual foi o mais importante título já conquistado pelo Mengão de todos os tempos!

Deixe um comentário?

  1. Feio 26 de fevereiro de 2020 as 13:07

    Quem é o melhor amigo que tá fazendo aí amor

    Responder
  2. Gilberto Balzani 21 de fevereiro de 2020 as 08:24

    Bom dia.

    Em 1926 o Flamengo goleou o Botafogo 8 x 1. NO jogo seguinte e 1927, o Botafogo “deu o troco”, ao conseguir a sua maior goleada na historia do confronto: 9 x 2. Ambas as partidas validas pelo Campeonato Carioca.

    Responder

8-20-3