Após gol contra o Fluminense, Dátolo agradece apoio da torcida

Após gol contra o Fluminense, Dátolo agradece apoio da torcida

Uma das realidades mais conhecidas do futebol é que “céu e inferno” são separados por uma atuação boa e outra ruim, num espaço muito curto de tempo. O meia Dátolo viveu essa montanha russa de emoções nas últimas semanas. Ele foi vaiado pela própria torcida no jogo de ida das oitavas da Libertadores no Independência, contra o Internacional, e foi perdoado pelos mesmos torcedores, depois de um erro fatal na partida de volta contra o time gaúcho, e acabou aplaudido, após ser substituído em Brasília na vitória sobre o Fluminense. Este pode ser considerado o início da volta por cima do jogador, autor de um gol na goleada sobre o Fluminense, no último domingo, que fez questão de agradecer aos verdadeiros atleticanos.

– Me senti muito bem na quinta, acolhido, fazia tempo que uma torcida não fazia isso por mim. Agradeço ao verdadeiro torcedor, que estava lá no aeroporto gritando meu nome e dos companheiros. Foi maravilhoso, fazia tempo que não sentia isso. Acho que foi uma resposta para mim, a pessoa que tem que acreditar sou eu. Uma resposta boa, para mim, primeiramente, foi demonstrar para todos que posso fazer grandes jogos e que meu compromisso com o Atlético sempre vai ser de me doar ao máximo. Estou feliz por ter marcado e tenho que continuar nesse ritmo e pegada para voltar ao meu nível.

Dátolo se defendeu e disse que voltou ao time em um período complicado, em que o time alvinegro vivia séries decisivas pelo Mineiro e Libertadores. Segundo ele, muitos torcedores não percebem isso.

– Quando me machuquei, voltei num momento difícil, com muitos jogos decisivos. Quando se machuca é difícil voltar com essa intensidade e atrapalha um pouco. Mas sou um cara que se esforça e se cobra e vou fazer o máximo para voltar ao meu nível.

Mudança de posição

Outro ponto para o meia que nem sempre é valorizado pelo torcedor tem a ver com o posicionamento. Dátolo não se importa de jogar como volante ou meia, mas sabe que não é fácil fazer essa mudança de posição.

– Realmente, dentro do futebol, entendo que às vezes tenho que fazer uma função, depois outra, me esforçar numa que não é a minha. Só os caras que entendem de futebol compreendem, mas estou aqui para o que o treinador precisar e vou jogar, em qualquer posição que ele escolher. Mas a minha é de meia armador, posso também ser segundo volante, sem problema.

Fonte:

cta_finalpost_atletico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *